Lobo Brasil
.

Lobo Internacional: Español | English
.


INFORMAÇÕES
Pergs. & Resps.
Enciclopédia
Notícias
Curiosidades
Bibliografia
Artigos
Entrevistas

REVISTAS
Lista completa
Gibi por gibi
Referências
Todas seções

ALÉM DOS GIBIS
Cinema
Cards
Jogos
Todas seções

IMAGENS
Geral
Pensamentos
Arte original
Todas seções

NO MUNDO
Brasil
Estados Unidos
Portugal
Todos países

DOWNLOADS

LINKS

FALE CONOSCO
.


Informações - notícias
Análise da participação de Lobo em “52” nº 5

(21/11/2007)

52 nº 5Finalmente Lobo chegou à maxissérie “52”, que está sendo publicada no Brasil desde junho. Na quinta edição, que traz os números 17 a 20 da original norte-americana, Lobo trem grande destaque, ganhando até a capa (escolhida pelos leitores).

A partir de agora, portanto, faremos um acompanhamento mensal da participação do Lobo na série, até a última edição. Já fizemos isso durante a publicação de “52” nos Estados Unidos, mas nem todo mundo acompanhou para evitar saber o que acontecia antes de ler a edição nacional.

Para quem não sabe (se é que tem alguém que não saiba), a maxissérie “52” durou exatas 52 edições semanais (no Brasil é publicada mensalmente, com quatro edições originais em cada edição nacional) e apresenta o que aconteceu no “ano pulado” da cronologia DC após o encerramento da mini “Crise Infinita”.

Diversos personagens da editora sofreram pequenas mudanças ou aperfeiçoamentos, tudo organizado principalmente por Grant Morrison, Keith Giffen, Geoff Johns, Greg Rucka e Mark Waid. No caso de Lobo, seu escritor foi Morrison.

A partir de agora, spoilers!

Lobo apareceu na 17ª edição de “52” (primeira história de “52” nº 5) com bastante destaque. Grant Morrison respeitou a essência do personagem, que está ligado ao chamado “arco espacial”, que segue a história de Adam Strange, Homem-Animal e Estelar, que ficaram isolados num planeta desconhecido após eventos de “Crise Infinita”. Durante várias semanas, eles consertaram uma nave e escaparam de um gigante poderoso que queria destruí-los.

Quando finalmente colocaram a nave para funcionar, se descobriram num canto do universo extremamente isolado, o que dificultou suas vidas, já que a nave não teria a capacidade de ir muito longe, sendo mais um “bote salva-vidas” enquanto eles esperavam que alguém os resgatasse.

Depois de alguns dias, o gigante poderoso (cujo nome é Devilance) os encontrou e estava prestes a matá-los, quando surge Lobo. O Maioral detona com Devilance e arranca sua cabeça. Adam Strange e Estelar ficam assustados (o Homem-Animal só não fica porque não conhece Lobo, mas Adam explica com detalhes quem Lobo é). Apesar do medo, Estelar vai conversar com ele.

Após uma negociação (envolvendo dinheiro, claro) e um topless forçado (pois é), Lobo concorda em ajudá-los a encontrar um lugar com comida, água e suprimentos. Adam Strange não confia em Lobo, mas Estelar comenta ter a sensação de que, não apenas Lobo os ajudará, como também, por algum motivo, aparenta precisar da ajuda deles.

A partir da leitura dessa história, descobrimos algumas coisas interessantes. Primeiro, está definitivamente oficializado que Lobo realmente foi banido por Céu e Inferno e por isso não pode morrer. Além disso, Lobo continua violento, tarado e inconseqüente, mas parece ter alguma coisa o incomodando, mas isso só descobriremos com o desenrolar da maxissérie.

Na terceira história da edição, descobrimos um pouco mais sobre essa história dele ter se tornado um religioso. Depois de resgatar Estelar, Homem-Animal e Adam Strange dos confins do espaço, Lobo os leva para um planeta que, segundo palavras da Estelar, “parece um campo de refugiados”. E é mais ou menos isso que vemos por lá: Alienígenas de várias espécies (a maioria parecendo de origem aquática ou coisa parecida) saudando Lobo quando de sua chegada. E um golfinho espacial junto a eles :)

Lobo é arcebispo dessa tal religião, a Primeira Igreja Celestial do Deus-Peixe Triplo. Ao final da parte que cabe a Lobo nesta edição de “52”, vemos finalmente o Olho Esmeralda, que é dotado de grande poder. Além disso, Lobo oferece ajuda aos três heróis caso eles aceitem segui-lo numa peregrinação aos “três planetas dourados”.

A vigésima edição da maxissérie “52”, equivalente à quarta história da edição nacional, foi praticamente toda concentrada na história dos heróis perdidos no espaço. Com isso, foi possível ver um aprofundamento nessa história e, conseqüentemente, conhecer melhor o pano de fundo no qual o Maioral se encontra.

No “refúgio” em que o arcebispo Lobo se encontra, os refugiados que ele protege estão com medo de um ataque de parasitas espaciais (que parecem caranguejos). Todos pedem que Lobo use o olho esmeralda de Ekron, mas ele afirma o tempo inteiro que não pode fazê-lo.

Quando o Maioral é destroçado por um enxame desses parasitas espaciais, Estelar pega o olho e usa seu poder para salvar todo mundo. Mas, no mesmo momento em que ela faz isso, um ET muito estranho surge. Depois que Lobo se regenera (imagem à direita), descobrimos quem é esse ET: Segundo as palavras do próprio Maioral, “De onde você acha que veio o olho esmeralda de Ekron? Foi arrancado da cabeça esmeralda de Ekron”.

Bizarro, não? :)

Ao final da edição, Estelar, Homem-Animal e Adam Strange concordam em acompanhar Lobo numa estranha peregrinação cujos motivos ainda não misteriosos. Só que agora eles estão com o cabeçudo (e poderoso) Ekron em seu encalço.

Um último detalhe interessante que reforça a personalidade do Maioral em “52”: Quando Estelar pergunta se ele estava com medo de Ekron e, por isso, pretendia fugir, Lobo estoura e quase parte pra cima dela até que o golfinho o lembra a tempo de seus votos. Daí ele reclama, dizendo “Viu? É sempre assim. Tu tenta acolher a não-violência e, de repente, qualquer paspalho resolve te chamar de covarde”.

Definitivamente, Lobo ainda é o mesmo. Mas um pouco mais interessante :)

Para quem acompanha a maxissérie, já sabe que há sempre histórias de duas páginas com as origens de vários personagens. Nesta edição, veio a divertida origem de Lobo, escrita do Mark Waid e desenhada por Keith Giffen.

Sobre a edição nacional, a única coisa que soa um pouco estranha é Lobo chamar o golfinho de “peixote”, quando os fãs do Maioral estão mais acostumados com a tradução “peixinho”, mas isso, obviamente, não atrapalha nada. As gírias paulistas não incomodam muito, já que não estão em grande exagero em comparação com algumas das edições antigas da Brainstore.

A grande vantagem da edição brasileira de “52” para os fãs do Lobo é que, por trazer quatro edições originais de cada vez, será mais fácil acompanhar Lobo. Para quem quer saber, ele aparecerá nas seguintes edições nacionais: 7, 8, 9, 10 e 13 (pois é, ele não aparecerá na edição de dezembro).
.

Lobo Brasil, trazendo serviços indispensáveis à internet desde 29 de outubro de 1997.
Todos personagens citados são, em sua maioria,
© DC Comics, publicados sem autorização, mas com todo respeito ;)
As informações contidas nesse site podem ser usadas livremente, desde que se cite a fonte, preferentemente com link.

Lobo Brasil © 1997-2008, Lucio Luiz